Tratamento de Vasinhos a Laser: sanando as principais dúvidas

Muito se fala sobre tratamento de vasinhos a laser, afinal, este método é muito seguro e apresenta resultados muito satisfatórios, devolvendo o aspecto saudável às pernas dos pacientes. Um dos motivos deste tratamento fazer tanto sucesso é que ele pode ser usado tanto para tratar queixas estéticas quanto pacientes sintomáticos, além de poder ser associado a outros procedimentos.

Como o tratamento de vasinhos a laser vem se popularizando muito e a época é muito propícia à procura de tratamentos, decidimos escrever este artigo sanando as principais dúvidas dos pacientes e interessados neste método.

Tudo que você precisa saber sobre o tratamento de vasinhos a laser

Há alguns anos atrás, a maioria das veias eram tratadas com microcirurgias. Com os avanços na tecnologia, hoje os vasinhos e as microvarizes podem ser tratados com métodos menos invasivos, como o laser transdérmico.

Por ser um método moderno e que tem se popularizado muito, é comum que os pacientes tenham dúvidas sobre este tipo de procedimento. A seguir, reunimos as principais dúvidas relacionadas ao tratamento de vasinhos a laser:

Como é feito o procedimento? Precisa ficar em repouso após o tratamento de vasinhos com laser? 

O procedimento é muito simples e feito no consultório. Cada sessão costuma durar de 45 minutos a 1 hora. Uma luz muito específica é aplicada na pele, promovendo a contração e destruição da veias por meio do calor intenso aplicado no local. 

O VeinViewer (equipamento que possibilita a visualização das veias e seu fluxo em tempo real), pode ser utilizado, de maneira a acompanhar o procedimento com mais assertividade.

Não é necessário internação nem repouso, apenas alguns cuidados básicos que falaremos em seguida.

Em que casos o tratamento de vasinhos a laser é indicado?

O tratamento com laser transdérmico é indicado para o tratamento de telangiectasias (pequenos vasos avermelhados ou arroxeados na superfície da pele) e para as veias reticulares (microvasos dilatados com no máximo 3mm de diâmetro). 

O tipo e a potência do laser são definidos conforme o calibre, profundidade e coloração dos vasos. Este método não é indicado no caso de varizes calibrosas, pois o calor e a contração gerada pela ação do laser não são o suficiente para eliminá-las.

Quantas sessões são necessárias para obter resultados satisfatórios?

A quantidade de sessões, bem como o período de intervalo entre elas, dependerá da quantidade de vasinhos ou microvarizes, do objetivo do tratamento e da resistência ao laser. Por isso, a avaliação do cirurgião vascular antes de começar o procedimento é fundamental.

No entanto, é possível minimizar os vasinhos já na primeira sessão.

Existe alguma contraindicação para o tratamento de vasinhos a laser?

Sim, para alguns pacientes o tratamento com laser transdérmico não é indicado. Gestantes, pacientes que sofrem com doenças dermatológicas (como o vitiligo) ou que façam uso de medicações fotossensibilizantes (como a isotretinoína) devem evitar o método.

Pacientes com a pele mais escura (onde a quantidade de melanina é maior), acabam absorvendo mais calor e precisam de maior cuidado durante a aplicação. Por isso, o médico deve reduzir a intensidade da luz para evitar queimaduras e complicações. 

O tratamento de vasinhos a laser é doloroso?

Durante a aplicação do laser transdérmico, há um certo incômodo que pode ser suavizado utilizando o resfriamento da pele com um aparelho que solta um ar gelado, amenizando a dor e protegendo a pele.

Mas em relação à dor, o laser transdérmico pode ser considerado a melhor opção. 

Quais os cuidados o paciente precisa ter antes e depois do procedimento?

São poucos os cuidados que o paciente deve ter antes e depois de realizar o tratamento de vasinhos a laser. Antes de realizar o procedimento, deve-se evitar a exposição solar intensa por pelo menos uma semana e manter a pele bem hidratada. 

Após o procedimento, o paciente não deve realizar exercícios físicos no mesmo dia e evitar se expor ao sol por cerca de 7 a 10 dias, já que sua pele estará fotossensibilizada.

O paciente pode ter algum efeito colateral?

Quando o laser transdérmico é adequado ao tipo de pele, os efeitos colaterais são minimizados. No entanto, é possível que haja vermelhidão temporária, alteração da pigmentação e formação de crostas. 

Estes sinais tendem a desaparecer após alguns dias a poucas semanas. 

Com quais outros métodos o laser transdérmico pode ser associado?

O laser transdérmico pode ser associado com a escleroterapia química com glicose ou espuma densa. Em ambos os casos os resultados são potencializados. O médico especialista indicará o melhor tratamento para cada caso.

Posso realizar este procedimento em uma clínica estética?

Não! A avaliação e o acompanhamento com um angiologista ou cirurgião vascular é fundamental para garantir o sucesso do tratamento. Somente estes especialistas conhecem a fundo a fisiopatologia da doença venosa.

Além disso, são estes profissionais que tem um melhor entendimento sobre o laser, a quantidade adequada e as reações biológicas causadas. Muitos dos vasinhos ou microvarizes podem ser alimentados por veias nutridoras, fístulas arteriovenosas ou virem de um episódio pós-trombose.

Quais são as vantagens do tratamento de vasinhos a laser?

São inúmeras as vantagens em realizar o tratamento dos vasinhos com laser transdérmico. Entre as principais, podemos destacar que não é necessário repouso após o procedimento, não há a utilização de agulhas e não há sangramento, além de não causar reações alérgicas. 

São necessárias menos sessões para eliminar os vasinhos e o paciente pode voltar às atividades normais no mesmo dia.

Estas costumam ser as principais dúvidas dos pacientes antes de se submeterem ao tratamento de vasinhos a laser. Se você ainda ficou com alguma dúvida, agende uma avaliação com um dos especialistas da Vessel Medicina Vascular.

 

Escrito por Dr. Eduardo Camargo Rebolho

Formado em Medicina pela Faculdade Evangélica do Paraná, é especialista em cirurgia geral, cirurgia vascular, cirurgia endovascular e acesso venoso para hemodiálise.