fbpx
Escleroterapia: Quando fazer aplicação de glicose, espuma ou laser transdérmico?

Escleroterapia: Quando fazer aplicação de glicose, espuma ou laser transdérmico?

As varizes e os vasinhos são um problema muito comum, atingindo cerca de 37% da população brasileira. No entanto, longe de ser apenas um problema estético, eles precisam ser tratados para não evoluírem para quadros mais graves ou aumentarem as chances de desenvolvimento de trombose. Para o tratamento, um dos procedimentos mais recomendados é a escleroterapia, um método moderno e muito eficaz. A seguir, falaremos um pouco mais sobre a escleroterapia, seus métodos e quando cada um deles é indicado.

O que é a escleroterapia?

A escleroterapia é um procedimento não cirúrgico utilizado para tratar as varizes e os vasinhos. Como a técnica é considerada invasiva, é totalmente indicado que ela seja realizada por um médico angiologista ou um cirurgião vascular. 

O tratamento através da escleroterapia é muito eficaz, eliminando as veias dilatadas e devolvendo o aspecto saudável às pernas dos pacientes.

O procedimento consiste em injetar um líquido esclerosante dentro da veia com uma agulha fina, provocando uma reação inflamatória e gerando uma cicatriz que obstrui a circulação sanguínea no local. Dessa forma, o sangue buscará novas veias e as varizes desaparecerão.

Este procedimento pode ser feito com diferentes tipos de esclerosantes, sendo assim indicado para quase todos os casos de varizes. A escleroterapia trata desde os vasinhos finos e avermelhados (telangiectasias) até as veias reticulares azuis e as varizes mais grossas.

O tratamento é individual e depende do estágio dos vasinhos e varizes. Por isso, após uma avaliação criteriosa, o cirurgião vascular optará pelo tratamento mais adequado, podendo, inclusive, associar mais de um método.

Quais são os tipos de escleroterapia?

Existem três métodos diferentes de realizar a escleroterapia. Para que o tratamento seja mais eficaz e os resultados mais satisfatórios, pode ser recomendado a associação de mais de um método.

Escleroterapia com substância líquida (glicose)

No caso da escleroterapia com aplicação de glicose, uma solução hipertônica de glicose a 50 ou 75% é introduzida diretamente no vaso com o auxílio de uma seringa. O líquido gerará uma reação química na veia que fará com que ela endureça, fibrose e desapareça naturalmente.

Como a glicose é uma substância natural, ela é absorvida mais facilmente pelo organismo, o que faz com que as chances de complicações ou alergias sejam menores. Este medicamento também pode ser administrado de modo resfriado, chamando-se assim de crioescleroterapia.

Escleroterapia com espuma

Neste método, uma espuma densa esclerosante de polidocanol e ar é injetada nos vasinhos, causando um processo inflamatório na paredes das veias, fazendo com que ela se torne inoperante e seque. A espuma é orientada por um ultrassom, trazendo mais precisão e eficácia para o método.

Como este método é indicado para casos especiais, a concentração do medicamento é menor, diminuindo as chances de manchas escuras, necrose e feridas na pele.

Escleroterapia com laser

Diferentemente da escleroterapia feita com espuma ou substância líquida, o procedimento a laser é feito através de energia luminosa que provoca aumento da temperatura no interior da veia, fazendo com que ela seque e feche.

Este método pode ser usado em conjunto com a escleroterapia líquida e com a espuma densa. A escleroterapia com laser não causa alergia, como pode acontecer com outros métodos, e ainda pode ser utilizada em pele morena com a redução de alguns parâmetros do equipamento.

Como já dito anteriormente, o melhor tratamento sempre dependerá de uma avaliação inicial com um especialista, dependendo do quadro clínico e da evolução da doença no paciente.

Escleroterapia: quando fazer aplicação de cada tipo

Ao constatar a presença de vasinhos ou varizes, o paciente deve buscar um angiologista ou cirurgião vascular. O especialista após exame clínico e, em alguns casos, exames complementares, indicará o melhor tipo de tratamento.

As telangiectasias, os famosos vasinhos avermelhados ou arroxeados, e varizes de menor calibre podem ser tratados com laser. Além disso, o laser também pode ser utilizado em outras regiões do corpo, como nos vasinhos no rosto ou tórax.

No entanto, este método pode não ser eficaz para tratar varizes de maior calibre. Ele também não é indicado para gestantes, pacientes com doenças de pele ou que façam uso de medicações fotossensibilizantes.

Já a aplicação de varizes com espuma é indicada para pacientes com varizes calibrosas, hipertensão venosa, úlceras de perna ou varizes em estágios mais avançados. Também pode ser uma ótima opção para pacientes com risco aumentado para realizar cirurgias. 

A escleroterapia com aplicação de glicose é indicada para alguns tipos de vasinhos que não apresentam uma veia nutridora calibrosa. Este método também pode ser associado ao laser transdérmico para melhores resultados.

Cada caso deve ser estudado em particular pelo especialista. Este é mais um dos motivos para não realizar escleroterapia em clínicas estéticas ou com profissionais que não sejam o angiologista e cirurgião vascular.

Somente estes médicos podem avaliar o quadro do paciente e optar pelo melhor método. 

 

Notou vasinhos ou varizes em suas pernas? Agende uma avaliação com um dos especialistas da Vessel Medicina Vascular.

 

Escrito por Dr. Marcio Miyamotto

Formado em Medicina pela Universidade Federal do Paraná, é especialista em angiologia, cirurgia geral, cirurgia vascular, cirurgia endovascular, angiorradiologia, mestre em clínica cirúrgica, sócio titular da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV), atual presidente da SBACV-PR e membro da Society for Vascular Surgery (SVS).

Tratamento de Varizes Masculinas

Tratamento de Varizes Masculinas

O novembro azul nos faz refletir sobre algumas doenças silenciosas que só são notadas quando os sintomas já se agravaram bastante levando a complicações mais graves. As varizes são uma delas!

Afinal, homens também têm varizes! Apesar de a doença ser mais comum entre as mulheres, segundo dados da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular, 30% dos homens sofrem com as varizes. Mesmo esse percentual sendo menor, os homens não devem descuidar pois as varizes masculinas são mais difíceis de serem identificadas devido aos pelos das pernas e costumam ser mais grossas.

Além disso, um diagnóstico tardio na maioria das vezes leva a complicações mais graves, como úlcera e trombose. Tratamentos menos invasivos também acabam não sendo possíveis em função da maioria das varizes masculinas exigirem tratamento cirúrgico.

Em função disso, preparamos um artigo bem especial sobre esse problema que assim como o câncer de próstata e o câncer de pele, muitas vezes acaba sendo negligenciado pelo sexo masculino, trazendo sérias complicações para a saúde.

Read More
Como resolver manchas após a aplicação de varizes

Como resolver manchas após a aplicação de varizes

Quando um tratamento para vasinhos ou varizes é iniciado é muito comum surgirem dúvidas diversas, principalmente quanto à efeitos colaterais. Uma dessas dúvidas diz respeito às chances de aparecerem manchas após a aplicação de varizes.

E a resposta é sim, é comum o aparecimento de manchas após um procedimento de escleroterapia. Segundo pesquisas da National Center for Biotechnology Information (NCBI), há 30% de chance do surgimento de manchas após o tratamento de varizes pela escleroterapia, mesmo que tudo seja feito de forma adequada.

Ou seja, uma a cada três pessoas nota o aparecimento de manchas escurecidas. Isso não quer dizer que elas não podem ser tratadas ou que se tornem permanentes. Muito pelo contrário, bastam alguns poucos cuidados para que essas manchas melhorem gradativamente.

Read More
check-up vascular porque e quando fazer

Check-up Vascular: Por que e quando fazer

Você pode se perguntar porque o check-up vascular é tão importante. Bom, para que possamos levar uma vida saudável e despreocupada precisamos, sem dúvida, adotar alguns bons hábitos de vida. Entre eles estão uma alimentação balanceada, exercícios físicos regulares, noites de sono bem dormidas e também check-ups anuais de saúde. É importante saber que está tudo certo com o nosso organismo.

Isso mesmo, exames de rotina são fundamentais para que patologias possam ser detectadas de forma precoce, aumentando as chances de tratamento e cura. Além disso, existem inúmeras doenças que são assintomáticas e que podem ser detectadas quando você realiza um check-up. 

No entanto, um check-up de rotina costuma englobar apenas exames de sangue, urina e fezes e que medem colesterol, triglicerídeos, pressão arterial, entre outros. Mas é muito importante frisar que o sistema vascular também precisa ser monitorado constantemente a fim de detectar doenças vasculares que desenvolvem-se silenciosamente, sem apresentar sintomas e dificultando o diagnóstico.

Read More
Varizes na Gravidez

Infográfico: Varizes na Gravidez

As varizes costumam aparecer com frequência ou se intensificar durante a gravidez. Pois é durante este período que acontecem diversas transformações no corpo feminino para desenvolver o bebê e acabam facilitando o seu surgimento. A quantidade de sangue circulando aumenta, o coração trabalha mais, o útero cresce e comprime as veias do abdômen e região pélvica da mulher, além de aumentar a quantidade de um hormônio que dilata as veias, a progesterona.

A boa notícia é que pode-se prevenir e minimizar o aparecimento das veias doentes, bem como tratá-las após o parto. Por isso, nós da Vessel Medicina Vascular desenvolvemos este infográfico com todas as informações para que você consiga entender o que acontece com o seu corpo durante a gestação que facilita o aparecimento das varizes, bem como os cuidados que você deve ter e as melhores opções de tratamento.

Read More
Hereditariedade e outros fatores que são causas de varizes

Causas das varizes: Hereditariedade e outros fatores

Já se perguntou quais as causas das varizes? Segundo dados da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular, 38% da população geral brasileira sofre com as varizes. Sendo que as mulheres (45%) têm maior predisposição para tê-las, comparando com os homens (30%).

Além disso, 70% das pessoas acima de 70 anos podem vir a desenvolver varizes. Dessa forma, as varizes são um problema relativamente comum e frequente entre a população adulta e merecem atenção e cuidados.

Read More
Por que e como se formam as varizes?

Por que e como se formam as varizes?

A maioria das pessoas acredita que as varizes são uma preocupação unicamente estética. Além disso, elas procuram saber mais sobre as varizes somente depois que elas já se estabeleceram e quando demandam cuidado e tratamento.

No entanto, não é de hoje que as pessoas se queixam das varizes. Quatro séculos antes de Cristo, foi encontrada uma estátua de mármore que retratava um homem segurando uma perna com veias dilatadas. Essa estátua, encontrada nas proximidades de Atenas, representa o agradecimento do paciente ao médico que o tratou.

Read More
Problemas de Circulação Vessel Vascular

6 Sinais que indicam que você tem problemas de circulação

É muito comum que o nosso corpo dê sinais quando algo não está bem. A febre, por exemplo, é sinal de algum agente infeccioso em nosso organismo ou alguma doença. 

No entanto, as doenças vasculares costumam ser silenciosas em alguns pacientes e apresentam sintomas que muitas vezes passam despercebidos. Apesar de, em geral, as doenças vasculares serem assintomáticas, existem diversos sinais que indicam o comprometimento do sistema circulatório. Saber identificar esses sintomas o quanto antes é fundamental para evitar complicações vasculares.

Read More
Hábitos que provocam o surgimento de varizes

Hábitos que provocam o surgimento de varizes

As varizes são um problema muito comum e que afeta em torno de 30% da população em algum momento da vida, de acordo com a Organização Mundial da Saúde. As mulheres são duas vezes mais suscetíveis à condição que os homens devido à presença de hormônios femininos.

Na maioria das vezes as varizes estão associadas à predisposição genética e a fatores de risco como gravidez, sobrepeso, tabagismo, alterações hormonais, entre outros.

Read More